quinta-feira, 19 de abril de 2012

RIO+20 DEPOIS DA ECO92 E DE SEVERN SUZUKI


A colega da Subturma 9 apresentou-nos uma notícia que iniciava nestes termos: “Mudar os paradigmas actuais, pensar alternativas, criar uma Agência Mundial da Água e de um Centro Ibérico para o Desenvolvimento Sustentável e estabelecer a cultura como um pilar da sustentabilidade são as principais conclusões do Fórum Mundial Lisboa 21, apresentadas ontem na Universidade Católica. Estas conclusões e recomendações surgem na sequência do Fórum Mundial Lisboa 21 (organizado por Portugal e Espanha), que decorreu em Lisboa em Outubro passado, e devem integrar um documento que será apresentado no âmbito da Cimeira das Nações Unidas Rio+20, em Junho próximo”.

Muitos se devem ter interrogado sobre este Rio + 20 de que a colega fala na sua notícia. Mas farão as pessoas ideia do que acontecerá nesse evento? Do que ele poderá representar para o nosso futuro?
Em junho, líderes dos 193 Estados que fazem parte da ONU, além de representantes de vários sectores da Organização, vão reunir-se para discutir como podemos transformar o planeta num lugar melhor para viver, inclusive para as futuras gerações. Podemos perceber como se trata de uma grande responsabilidade.
 A ideia da realização desta Conferência no Brasil foi do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, que, em 2007, fez a proposta à ONU. Cabe, antecipadamente, explicar o porquê desta designação. Rio porque se irá realiza no Rio de Janeiro e +20 porque se trata de 20 anos após uma outra conferência internacional que tinha objetivos muito semelhantes: a Eco92, também promovida pela ONU, na capital fluminense, para debater meios possíveis de desenvolvimento sem desrespeitar o meio ambiente. 
O evento rendeu a criação de vários documentos importantes - como a Agenda 21, a Carta da Terra e as Convenções do Clima e da Diversidade Biológica -, além de ter consagrado uma menina de apenas, 12 anos. 

Trata-se da pequena canadiense Severn Suzuki, fundadora do movimento Eco - Organização Ambiental das Crianças, que ficou marcada na história da Eco92 ao juntar dinheiro, juntamente com três amigos - Michelle Quigg, Vanessa Suttie e Morgan Geisler para viajar para o Brasil e discursar para os mais importantes líderes do planeta, na época. Com um discurso elucidativo e emotivo ela acabou por finalizar pedindo mais respeito pelo mundo que eles estariam a deixar para as futuras gerações.
Vinte anos depois, a Rio+20 reunirá os líderes de todo o mundo para fazer um balanço do que foi feito nas últimas duas décadas e discutir novas maneiras de recuperar os estragos que já fizemos no planeta, sem deixar de progredir. Mas pensar em alternativas para diminuir o impacto da humanidade na Terra não é responsabilidade, apenas, dos governantes: é nossa também. Afinal, todas as atitudes que tomamos no dia-a-dia - do tempo que demoramos para escovar os dentes ao meio de transporte que escolhemos para ir à escola - afectam, de alguma maneira, o planeta e, por consequência, a nossa vida e todos aqueles que nos rodeiam.

Por isso, no mesmo período da reunião oficial da Rio+20, o Rio de Janeiro sediará, também, a Cúpula dos Povos: um evento que contará com debates, palestras e uma porção de outras atividades, sobre os mesmos temas da Conferência da ONU, mas que irão ser promovidos por grupos da sociedade civil - como ONGs e empresas. 

A ideia é que todos os setores da sociedade discutam, ao mesmo tempo, maneiras de transformar o planeta num lugar melhor para vivermos. Afinal, a união faz a força, certo? E até mesmo quem estiver de fora dessas duas reuniões pode ajudar, pensando em maneiras de diminuir o seu impacto na Terra. Que tal tomarmos banhos mais curtos? Ou desligar a TV, enquanto usamos o computador e vice-versa? Pensemos em atitudes que podemos adoptar para melhorar o planeta em que vivemos e compartilhemos com os nossos amigos, pais e professores - e, também, aqui, como não podia deixar se ser, no BLOG!

Vejam o discurso da menina Severn Suzuki, na Eco92: Que ela seja como uma luz inspiradora na luta por um planeta cada vez mais verde.


Hoje, quase vinte anos depois da Eco92, três dos quatro fundadores do movimento Eco, que juntaram dinheiro para Suzuki discursar na Conferência, continuam seduzidos pelas questões sociais e ambientais? Suzuki é activista da fundação David Suzuki, criada pelo seu pai, e dá palestras no mundo inteiro sobre sustentabilidade. Morgan Geisler é integrante do Greenpeace e Michelle Quigg é advogada e trabalha na área de imigração, refúgio e justiça social. 

Sem comentários:

Publicar um comentário